jusbrasil.com.br
26 de Fevereiro de 2021
    Adicione tópicos

    Justiça determina suspensão de leilão de imóvel que foi adquirido por terceiro antes da ordem de penhora

    Correio Forense
    Publicado por Correio Forense
    há 10 meses

    O juiz federal Marcelo Meireles Lobão, da 1ª Vara Federal Cível e Criminal da SSJ de Anápolis, no interior do Estado, determinou a suspensão de leilão de imóvel que está em nome de terceiro que adquiriu o bem antes da ordem de penhora. Anteriormente, havia sido reconhecida fraude à execução e designado o referido leilão. Porém, ao conceder a tutela de urgência, o magistrado entendeu que não há indícios de má-fé da adquirente. A dona do imóvel é representada na ação pelos advogados Henrique Celso de Castro Sant’Anna e Thaissa de Castro Chaves, do escritório Sant’Anna & Neto Sociedade de Advogados.

    Conforme consta nos autos, a mulher está na posição de terceiro, pois é proprietária de um imóvel constrito, mas não figura como parte do feito em que exarada a ordem de penhora. Ela relata na ação que recebeu o imóvel, localizado em Anápolis, como forma de pagamento de uma dívida. Na ocasião, pesquisou por eventuais restrições existentes sobre o bem e nada encontrou. Diz que não havia averbação premonitória e nem de penhora, ao tempo da escrituração do registro da compra e venda.

    Ressalta que também não constavam débitos em nome do ainda dono do imóvel no âmbito da Fazenda Nacional, do Estado de Goiás, do Município de Anápolis, nem perante a Justiça Trabalhista. “Diante disso, fica claro que não houve má-fé da na realização do negócio jurídico firmando. Ela não pode ser atingida pelas Execuções Fiscais contra ele interpostas, nas quais houve a penhora e designação de leilão do imóvel de sua propriedade”, afirmam os advogados, que apontaram também irregularidades no procedimento do leilão.

    Anteriormente, o magistrado havia reconhecido, no caso em questão, a existência de fraude à execução e designou o leilão do bem. Contudo, revendo a questão, disse que a decisão colide com precedente firmado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O entendimento do STJ é o de que, no caso de execução de crédito não tributário, o reconhecimento da fraude à execução pressupõe prévio registro da penhora na margem da matrícula imobiliária.

    No caso em questão, a certidão de matrícula mostra que a mulher adquiriu o imóvel em fevereiro de 2016, por meio de registro de contrato de compra e venda. A ordem de penhora, contudo, aportou no cartório de imóveis apenas em janeiro de 2018. “Assim, na linha da jurisprudência do STJ, não teria ocorrido fraude à execução, embora o alienante tenha sido citado no processo executivo no ano de 2009”, disse.

    O magistrado ressaltou que a alegação de que a compra e venda foi utilizada para concretizar dação em pagamento para quitação de obrigações contraídas pelo executado, além da própria existência dessas obrigações – questões relevantes para verificação da boa-fé da embargante – exigem maior indagação. “Tal, porém, será feito por ocasião da instrução do processo”, completou o juiz federal.

    Wanessa Rodrigues

    ROTAJURÍDICA/JF

    Número: 1000573-25.2020.4.01.3502

    #leilão #penhora #imóvel #terceiro

    Foto: Pixabay

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)